Ele foi alvejado diversas vezes, mas ninguém viu ou ouviu nada que pudesse ajudar a polícia a elucidar o caso

Natan da Costa e Silva, de 24 anos, foi morto a tiros, na noite de quinta-feira, dia 1º de setembro, na Rua Luiz Rebello, na Ilha das Cobras, em Paraty. Ele foi alvejado dentro de um Gol branco. Natan morreu na hora e o homicídio teria sido praticado por meliantes que estavam num Fiat Mobi branco.

Policiais militares da 2ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) foram comunicados sobre o caso e seguiram para a comunidade, onde encontraram Natan morto no banco da frente do veículo. Os policiais tentaram encontrar testemunhas que pudessem ajudar na elucidação do crime, mas como sempre a Lei do Silêncio imperou na Ilha das Cobras e os policiais, após preservarem o local do crime, para que a perícia fosse feita, registraram o caso na 167ª Delegacia de Polícia, onde um inquérito policial foi aberto para apurar as circunstâncias do homicídio.

Ainda no local em que o crime ocorreu, manifestantes atearam fogo em um sofá, como forma de protesto pela morte de Natan, que segundo a polícia, possuía passagens por tráfico de drogas, posse de arma de fogo e de entorpecentes. Neste ano, ele chegou inclusive a ter um mandado de prisão expedido pela Vara Criminal de Paraty, mas este foi revogado, em nova decisão da Justiça.

Deixe um comentário