Jornalista angrense sofre golpe e ganha uma dívida de mais de R$ 10 mil

Caso foi comunicado à Polícia Civil, Procon e Ouvidoria do Banco do Brasil

Imagine você descobrir que tem uma dívida de mais de R$ 10 mil reais, em dois cartões de crédito que nunca possuiu? Essa é a situação enfrentada pela jornalista Ludmila Pereira.

Ela conta que, há um tempo, vinha recebendo ligações de cobrança do Banco do Brasil, mas como nunca tinha tido conta na instituição, acabou não dando importância. A jornalista disse que só se deu conta da existência real da dívida em seu CPF, ao baixar o aplicativo do Serasa. O valor devido? R$ 10.178,03.

Ludmila fez contato com o teleatendimento do Banco do Brasil e foi informada de que no seu CPF constavam as dívidas dos cartões de crédito Petrobras e Saraiva, ambos da bandeira Visa. Uma informação, porém, não batia: o endereço. No seu cadastro bancário constava Rua 15 de Novembro, nº 1.028, Imperatriz, Maranhão.

“Eu sempre morei em Angra e nunca tive conta no Banco do Brasil e muito menos cartões da Petrobras e da Saraiva. É muito ruim. Nos preocuparmos tanto em pagar as contas em dia e, num belo dia, saber que seu nome está no Serasa, por uma dívida que nunca fez”, relata a vítima.

Orientada por seus advogado, a jornalista fez um registro de ocorrência na 166ª Delegacia de Polícia, procurou o Procon de Angra dos Reis e ingressará com uma ação na justiça. A jornalista também abriu um processo de falsidade ideológica junto ao SAC do Banco do Brasil e aguarda que sua situação seja resolvida.

“Isto é uma coisa muito séria. Os bancos têm que estar mais atentos ao assunto, sobretudo estando os dados de todos nós tão expostos ultimamente. Imagine se numa emergência, eu precise contrair um empréstimo. Estaria impedida. Além do mais, meu score está muito baixo e nem limite no meu cartão de crédito é liberado, sendo eu uma boa pagadora”, finalizou.

Deixe um comentário