Polícia Civil prende pela 2ª vez assassino confesso de pai de santo

Ele tentava fugir para Rio das Pedras, quando foi capturado pelos Anjos da Lei

Os Anjos da Lei da 166ª Delegacia de Polícia, liderados pelo xerife Dr. Vilson de Almeida, continuam a meter bronca na vagabundagem e na noite de terça-feira, dia 6 de setembro, lograram êxito em mandar pro xilindró Antônio Rebson Alves de Oliveira, de 31 anos, assassino confesso de pai Jorge, um dos mais antigos babalorixás de Angra.

Ele foi preso pela segunda vez, após ter sido colocado em liberdade, por conta de uma falha nos trâmites do Judiciário, que permitiu que Antônio Rebson fosse solto.

De acordo com Dr. Vilson de Almeida, o setor de inteligência da Delegacia de Angra percebeu que o meliante se preparava para fugir para a comunidade de Rio das Pedras, Zona Oeste do Rio. Uma operação foi montada e o veículo de aplicativo, contratado por Antônio Rebson, interceptado em Conceição de Jacareí. Contra ele havia um novo mandado de prisão preventiva.

Na abordagem ao veículo que o transportava, cercado pelos agentes policiais, o suspeito não ofereceu resistência, sendo preso imediatamente e conduzido à 166ªDP. Ainda segundo o delegado, Antônio Rebson confirmou que pretendia se estabelecer em Rio das Pedras e disse que, ao menos teve chance de ver seu filho. O assassino foi visto perambulando pelo Bracuí e Perequê, como se ele não tivesse feito nada de errado.

Ou seja, como ele não tivesse matado pai Jorge, no dia 19 de julho, no imóvel do líder espiritual, localizado na Rua Barra Mansa, no Promorar do Campo Belo, na Grande Japuíba. O corpo de Jorge Mariano só foi encontrado no dia 26 de julho, após a vizinhança sentir o cheiro do cadáver em estado de putrefação.

Assim que tomaram conhecimento do crime, os sherlock’s da Delegacia de Angra iniciaram as investigações e chegaram a conclusão de que Antônio Rebson era o principal suspeito do crime, uma vez que este teria sido o último a ser visto na companhia de pai Jorge e usado os cartões bancários da vítima. Além dos cartões, Antônio Rebson rodou com o carro de pai Jorge por cinco dias e depois o abandonou, na Santa Rita do Bracuí.

Com a investigação em curso, o meliante foi localizado na casa de parentes, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, no início de agosto e conduzido à Angra, onde prestou depoimento.

Ele teria confessado o crime e dito que foi contratado por pai Jorge, para prestar serviços de pedreiro. O acusado também afirmou que o babalorixá prometeu ajudá-lo e propôs que tivessem um caso amoroso, o que teria despertado a fúria de Antônio Rebson, que pegou uma faca e não pensou duas vezes e matou pai Jorge, na sala da residência.

Com a maior frieza, o assassino disse que enrolou o corpo da vítima num cobertor e levou até um dos quartos da casa. Depois seguiu para a sala, limpando o sangue e ainda recebeu uma vizinha de pai Jorge, que sempre tinha o costume de ir até a residência, para tomar uma cerveja. Antônio Rebson teria tido toda a calma do mundo para despistar a mulher, agindo naturalmente e depois fugiu.

Deixe um comentário