Cidade segue em alerta no levantamento sobre Aedes aegypti

Pesquisa, realizada entre 2 e 8 de outubro, mostra que a população deve continuar evitando criadouros de larvas em seus imóveis

Angra dos Reis, de acordo com o último Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa), segue em classificação de alerta, o que aponta para que todos os cidadãos sigam evitando a existência de criadouros de larvas em seus imóveis.
O levantamento, último previsto para o ano de 2022, foi realizado entre os dias 2 e 8 de outubro. Ele tem como objetivo a quantificação da infestação de mosquitos Aedes aegypti em todas as áreas urbanas do município, além de analisar os principais tipos de criadouros utilizados para a dispersão dos ovos desse transmissor de doenças como dengue, zika e chikungunya.
A quantificação da infestação desse mosquito específico é feita por meio do Índice de Infestação Predial (IIP), que mostra a proporção entre imóveis vistoriados e imóveis com larvas de Aedes aegypti. Assim, é possível direcionar as ações de prevenção e controle, fazendo com que a Coordenação de Vigilância Ambiental fique atenta às áreas com maiores riscos de infestação e determine quais atividades serão realizadas, baseando-se nos recipientes e criadouros mais frequentes na área envolvida.
Foram pesquisados 3.587 imóveis no município e, em 37 deles, foram encontradas larvas de Aedes aegypti, em 31 residências e seis terrenos baldios. O IIP obtido no município foi de 1,0%, classificado como alerta, onde a cada 1.000 imóveis vistoriados, 10 possuíam formas imaturas do vetor.

Deixe um comentário