Jornalista português esteve em Angra e colocou o dedo na "ferida"

Matéria foi publicada no site da CNN portuguesa

 Entre o “postal” e exemplo de desigualdade social: Angra dos Reis, um dos tesouros do Brasil. Este foi o título de uma matéria, publicada  no site da CNN  portuguesa, sobre a cidade conhecida internacionalmente como um oásis de natureza exuberante, que  serve de parque de diversão para os endinheirados, mas que na verdade vem sofrendo com a favelização de sua população e a falta de saneamento básico.  Na reportagem, o jornalista português Pedro Bello Moraes, conta como a população foi  levada aos morros da cidade, enquanto os locais seguros e à beira mar, dão lugar às mansões e condomínios de luxo. Fala ainda das praias privatizadas, onde ninguém tem acesso, onde “beleza pública transformou-se me beleza privada”, na palavras do próprio jornalista.

A entrevista relata que essa população foi expulsa da orla e das ilhas pelos empreendimentos imobiliários milionários e acabou em áreas de risco e  sem saneamento básico. A reportagem entrevista um marinheiro e uma ativista, ambos angrenses. O jornalista lembra que a retomada do crescimento no país é  desigual e convive com a extrema pobreza, como  pode ser vista em Angra,  com a favelização da população. Uma realidade que coabita com um dos maiores cartões postais brasileiros.

A reportagem afirma que há 20 anos ainda havia dialogo sobre a ocupação territorial na cidade, mas hoje, mesmo embargadas, as obras dos “bacanas” continuam. O jornalista lembra ainda que esse desrespeito vem  acontecendo há muito tempo, bem antes do  governo Bolsonaro. Pedro Bello Moraes  afirma que durante sua estadia em Angra para fazer essa matéria, pediu uma entrevista ao governo municipal, que foi negada. Ele queria saber do prefeito Fernando Jordão  se havia na Prefeitura  “uma política de privilegiar os interesses privados em detrimento dos públicos”.

O jornalista português, provavelmente  não sabia, mas esse empobrecimento da população angrense pode ser evidenciado por números. No dia 7 de outubro, a Prefeitura anunciou com orgulho, que 564 novas famílias haviam sido habilitadas no Programa Auxílio Brasil. O programa do Governo Federal oferece às famílias na linha da pobreza (R$ 210 per capita) ou de extrema pobreza (R$ 105 per capita) um cartão no valor de R$ 600, para a compra de alimentos e outras necessidades básicas. O governo anunciou ainda, que  com o acréscimo, o Angra passou a ter 21.121 famílias beneficiadas pelo programa. Só que,  se por um lado essa ajuda é bem vinda, por outro, deveria ser motivo de tristeza e preocupação.Isso demonstra que se o município vai bem economicamente, ter tantas  famílias na linha de pobreza ou de extrema pobreza, é sinal de que a população não está se beneficiando dessa riqueza, pois não consegue  ter uma vida digna sem a ajuda do governo.

Quem quiser pode ver a matéria neste link:

https://cnnportugal.iol.pt/videos/entre-o-postal-e-exemplo-de-desigualdade-social-angra-dos-reis-um-dos-tesouros-do-brasil/635d72c30cf2ea367d55d601